O positivismo faz a diferença

 O positivismo faz a diferença

Thaís Helene Fidelix Baggio, lembra-se como se fosse hoje quando recebeu umas das piores notícias de sua vida. Um laudo médico que dizia: “Carcinoma Ductal Invasivo” ou Câncer de Mama. Mas com muito positivismo ela conseguiu vencer esse momento e hoje está curada.

O HNSG na minha vida

No momento que tive o diagnóstico confesso que fiquei assustada, corri para os braços do meu esposo e chorei muito. Eu dizia que não queria morrer e que seria curada.

Então fui procurar o mais conceituado mastologista, Dr. Rubens Silveira. A primeira certeza foi que precisaria tirar férias forçadas. Depois, decidimos o que faria, e optei por fazer a mastectomia total, afinal não nasci com câncer e queria mais que depressa tirar de dentro de mim. Optamos por realizar, na mesma cirurgia, a reconstrução mamária e o conceituado Dr. Cícero Urban, fez um trabalho impecável.

Nunca tinha me internado em um Hospital, muito menos entrado em um centro cirúrgico. De início confesso que fiquei ansiosa. Era um procedimento grande, afinal seria a retirada de um órgão, mas fui muito tranquila, com pensamento positivo, afinal sabia que estava em ótimas mãos.

A notícia de que você terá que fazer quimioterapia traz muitos medos, mas a primeira consulta com a oncologista Débora Gagliato me trouxe muita tranquilidade. Ela me explicou calmamente tudo o que iria acontecer, inclusive as reações e as sequelas. Meu maior medo eram as tais “reações” pós quimio, que acabaram nem sendo grandes, com exceção dos cansaços fortes, mas isso não me abalava.

Fiz quatro seções da vermelha (quimio muito forte a cada 21 dias) e 12 brancas (mais tranquilas e seções semanais). Durante meu tratamento viajei e até tomei meu frisante, como sempre tomo, além de levar uma vida social normal.

A grande maioria das mulheres não aceitam a queda dos cabelos. Aguardei ansiosa pelo ’17º dia’ – após a primeira quimio – quando iria começar a cair meus cabelos. Chegou o grande dia. Acordei, olhei no travesseiro e nenhum fio de cabelo ali. Quando saí do banho, que comecei a enxaguar os cabelos, olhei nas minhas mãos e foi até engraçado, caía de monte. Como sempre usei o cabelo curtinho, corri para o meu cabeleireiro e pedi para que ele cortasse ainda mais. Os dias foram passando e falhas grandes começaram a aparecer, até que depois de um banho, em que o cabelo caiu mais ainda, concluí que era a hora de raspar.

Fui novamente ao salão. Ela foi passando a máquina aos poucos, com medo, e eu dizia para que “mandasse bala”. Cabelo não era problema, eu queria estar curada. Quando terminei o tratamento ganhei os parabéns dos médicos, pois meu tratamento foi um sucesso.

A notícia da cura é a melhor notícia que podemos receber durante um tempo turbulento em nossas vidas. Sempre acreditei que estaria curada, afinal somos aquilo que pensamos e atraímos aquilo que pensamos, por isso sempre tive pensamento positivo, e posso dizer que essa foi a chave do meu sucesso. Claro, não posso esquecer de agradecer a Deus por tantas bênçãos recebidas, sou filha especial D’Ele, sou grata também por me permitir passar por esse período de luta que, com certeza, por algum motivo eu tive que passar. Quando recebi a notícia, adivinha? Corri tomar um frisante! Afinal, tinha muita coisa para comemorar.

Agradeço a todos os meus amigos, tanto os mais próximos, quanto os mais distantes, que me ajudaram em orações, os familiares (mãe que sempre esteve comigo, pai, irmãs, e minha sogra, que com muito carinho me cuidou, elaborando comidas naturais para que eu passasse bem durante o tratamento e tivesse o quanto menos efeito colateral possível. E uma pessoa muito especial: meu esposo. Ele me deu muita força para vencer essa doença, e esteve todo o tempo ao meu lado, inclusive nas químios – ele ficava sentado durante 5 horas ao meu lado, sem nunca me deixar sozinha. Quando tinha algum procedimento no centro cirúrgico ele estava lá na sala de espera, me aguardando sair.

Neste período de tratamento conheci pessoas do bem, pessoas fantásticas, que hoje fazem parte do meu ciclo de amigos. Caíram os cabelos e isso sempre falei que nunca seria problema, hoje já estou bem cabeluda e com um cabelo bem mais bonito e mais forte que antes.

Me sinto uma pessoa bem melhor e muito mais feliz. Confesso que o período dos quimioterápicos não são muito fáceis, temos muitos efeitos colaterais, mas com muita calma e pensamento positivo tudo vai ficando melhor. Tinha consciência de que era tudo para o meu bem e para estar curada.

Minha mensagem

As queridas enfermeiras do setor de quimioterapia do Hospital Nossa Senhora das Graças, que tenho um carinho gigantesco, pois sempre me carregavam no colo com toda dedicação, amor e carinho que tive e tenho lá! Tenho admiração por toda a equipe que envolve o HNSG. Soa estranho dizer que amo um hospital, mas realmente sinto um amor muito grande pelo HNSG.

 


Importante!
Os comentários publicados nessa área do site, não representa, obrigatoriamente, a opinião do Hospital Nossa Senhora das Graças. Os textos publicados através desse sistema são de exclusiva, integral responsabilidade e autoria dos leitores que dele fizerem uso. O Hospital Nossa Senhora das Graças reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou, de alguma forma, prejudiciais a terceiros. Da mesma forma, informamos que comentários que exponham dados pessoais e clínicos dos pacientes poderão ser moderados no intuito de preservar a privacidade dessas informações. Reforçamos que os comentários que apresentarem caráter promocional não serão publicados.