HNSG atinge o marco de 250 transplantes de fígado

Dr. Eduardo Ramos, cirurgião responsável pelo procedimento, ao lado da paciente Vera Lucia Craveiro Devechi e da médica residente Dra. Lana Bassi Ferdinando

Referência em transplante hepático, o Hospital Nossa Senhora das Graças acaba de atingir o importante marco de 250 transplantes de fígado realizados nos últimos 10 anos na instituição. A paciente que foi transplantada, Vera Lucia Craveiro Devechi, de 65 anos, estava sendo acompanhada pela equipe médica do Centro de Cirurgia, Gastroenterologia e Hepatologia (CIGHEP) do HNSG desde 2019.

“Encontrei aqui o diferencial encontrado em Deus: amor”. Esse foi o recado deixado pela paciente no dia de sua alta, para a equipe multiprofissional que lhe atendeu.

Os resultados das cirurgias de transplante hepático do HNSG demonstram uma sobrevida de 80% dos pacientes transplantados, um índice equiparado a padrões internacionais. Para isso, o serviço conta com uma equipe dedicada à captação e implante de órgãos, trabalhando 24 horas.

“Quando temos um transplante hepático, todos os profissionais dão o seu melhor, o que torna o HNSG uma referência. Isso faz com que o hospital fique conhecido no tratamento de doenças complexas e traz excelência para todos os níveis”, comenta o chefe do serviço e cirurgião Dr. Eduardo Ramos.

Fila de Transplante no Paraná

Segundo o Sistema Estadual de Transplantes do Paraná, até maio deste ano, o número de paranaenses que aguardam por um transplante de fígado é de 201 pessoas, sendo 123 homens e 78 mulheres, principalmente na faixa etária acima dos 50 anos. Pelo menos 27 pessoas cadastradas na lista de espera apresentam cirrose causada por doença gordurosa hepática não alcoólica, que está relacionada com o excesso de peso e obesidade.

Os pacientes candidatos a transplante de fígado são colocados em uma única lista de espera para receber a doação do órgão, com base no tipo sanguíneo. Os casos mais urgentes, são priorizados. A cirurgia leva de cinco a oito horas, em média. Depois que o fígado antigo é retirado através de um corte na parte superior do abdômen, o fígado do doador é colocado no espaço vazio no abdômen do paciente. Os vasos sanguíneos do fígado do doador são conectados às veias e artérias do receptor e o ducto biliar é costurado com o ducto biliar do receptor ou uma parte do intestino. Após o procedimento, os pacientes passam um a dois dias na Unidade de Terapia Intensiva e depois ficam em observação. O tempo médio de internação após o transplante é de uma a duas semanas.

Sobre o CIGHEP do HNSG

O CIGHEP é formado por médicos especializados, reconhecidos pela excelência no atendimento dentro das especialidades de cirurgia do aparelho digestivo, gastroenterologia, transplante hepático e proctologia. Diferencia-se pelo atendimento completo ao paciente, desde o atendimento ambulatorial, a realização de exames e cirurgia, contando com toda a estrutura do HNSG.

Além do transplante e atendimento clínico, nos últimos três anos, mais de 30 mil novos pacientes foram atendidos pelo serviço, e mais de 700 pacientes foram submetidos a ressecção de tumores no fígado e no pâncreas, e outras cirurgias do aparelho digestivo.

Voltar